Ametista, a cinderela das pedras

O nome ametista vem do grego “Amethystos” que significa “a que cura a embriaguez”. Os gregos acreditavam que esta gema os protegia de feitiçaria, nostalgia e embriaguez. A ametista, membro da família dos quartzos, é encontrada em abundância em quase todo o mundo, inclusive Brasil (Rio Grande do Sul e Bahia), Bolívia, Uruguai, Madagascar, México, África, Canadá, Rússia, EUA e Europa. A ametista é um Óxido de Silício (SiO2), deriva da combinação de pequenas quantidades de ferro e alumínio, com sistema de cristal trigonal e dureza 7 na Escala de Mohs. Sua cor varia do violeta azulado claro ao violeta profundo e intenso (mais apreciado), normalmente transparente, podendo encontrar uma variedade um pouco translúcida. Quando tem formatos de pirâmides, a cor mais intensa predomina na ponta dos cristais. É comum encontrar muitas ágatas ocas no Brasil e Uruguai que possuem uma camada de cristais de ametista no seu interior. A cinderela das pedras, como também é chamada a ametista, foi muito valorizada por sua beleza e energia lendária por milhares de anos. O povo do período neolítico na Europa, a usava pelo menos em 25.000 a.C. e, no antigo Egito, era transformada em adornos e amuletos. A ametista é encontrada na natureza em diversos tamanhos, permitindo grande variedade de lapidações.

ametista

Um grande geode* de ametista

 

ametista

Detalhes dos cristais de ametista

 

 

A lenda da ametista

 

Segundo a mitologia grega, o deus Baco (Dionísio), enraivecido por um insulto, decretou que a primeira pessoa que ele encontrasse seria comida por seus tigres. A desafortunada, linda e pura donzela veio a ser Ametista, que se dirigia ao santuário de Diana para orar. Quando os tigres saltaram sobre Ametista, Diana transformou a garota em um cristal claro e transparente. Reconhecendo o milagre e arrependido de sua crueldade, Baco derramou seu vinho sobre o corpo petrificado como uma oferenda, dando ao mesmo, sua bela cor roxa. Esse mito grego antigo explica a derivação do nome ametista para a gema preciosa.

ametista

Anel grego de ouro amarelo com ametista do período helenístico

 

ametista

Anel contemporâneo de ouro amarelo com ametista na lapidação cabuchão

 

ametista

Pendente com druza de ametista

ametista

Delicado par de brincos no ouro amarelo com pérolas e ametistas

 

Curiosidades sobre a ametista

 

As sociedades antigas da Grécia e Roma davam muito valor à ametista, considerada há muito tempo como a pedra da lealdade. Essas sociedades tinham o costume de tomar o vinho diluído em água servido em taças de ametista, para economizar o vinho e evitar que as pessoas se embriagassem tão rapidamente. Os gregos também acreditavam que a ametista prevenia intoxicação, acalmava a raiva e aliviava paixões frustradas.

A cor violeta da ametista é associada à meditação, elevando a alma, simbolizando a pureza da fé. Os bispos católicos usavam ametistas nos anéis, para expressar a sua espiritualidade e como símbolo de força e fé. Diz-se que a ametista controla os maus pensamentos e que proporciona cura para insônia ou pesadelos quando colocada sob o travesseiro.

Em relação à profissão, acredita-se que a ametista é a pedra dos artistas, astrólogos, dançarinos, fazendeiros, jardineiros, ministros, políticos, psicólogos e das secretárias. É a pedra do signo de peixes, aquário, áries, sagitário e capricórnio e é segundo os esotéricos, a gema do mês de fevereiro.

A energia da ametista ajuda na eliminação de resíduos gasosos, principalmente em combinação com outras gemas como hematita e magnetita.

Espinélio, safira e kuazita são gemas que se assemelham muito com a ametista. A ametrina é o citrino com a ametista, havendo na mesma gema, as duas cores, amarelo e violeta.

ametista

Ametistas em lapidações variadas

 

 

Geode* de ametista – Os geodes ou geodos são formações rochosas que ocorrem em rochas vulcânicas e ocasionalmente em rochas sedimentares. São essencialmente cavidades que se formam nas rochas, apresentando-se revestidas por formações cristalinas, muitas vezes apresentando a forma de faixas concêntricas. O exterior dos geodes mais comuns é geralmente constituído por calcário, enquanto que o interior contém cristais de quartzo e/ou depósitos de calcedónia. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

Empresária, criadora e editora deste blog, com ampla experiência no mercado de luxo de São Paulo, nos segmentos de moda e joalheria.

Posted in Gemas and tagged , , , , , , .

Deixe um comentário