O Circuito do Diamante

O Circuito do Diamante é um roteiro turístico, localizado na Serra do Espinhaço no estado brasileiro de Minas Gerais, resultante de um convênio celebrado em 1977 entre a Secretaria de Planejamento da Presidência da República, a Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral de Minas Gerais, a EMBRATUR, sob a supervisão da Secretaria Executiva da Comissão Nacional de Regiões Metropolitanas, o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Nacional) e a Fundação João Pinheiro. Nessa época o Circuito do Diamante só abrangia a cidade de Diamantina, mas foi em 1980 que a Fundação João Pinheiro preparou toda a região para o turismo. Em 2001, quando a cidade de Diamantina recebeu o título de Patrimônio Cultural da Humanidade foi consolidado o Circuito Turístico dos Diamantes.

O Circuito dos Diamantes abrange um total de treze cidades circunvizinhas, dentre elas está: Alvorada de Minas, Carbonita, Couto de Magalhães de Minas, Datas, Diamantina, Felício dos Santos, Gouveia, Monjolos, Presidente Kubitscheck, Rio Vermelho, Santo Antônio do Itambé, São Gonçalo do Rio Preto, Senador Modestino Gonçalves e Serro. Para caracterizar como circuito turístico, os municípios devem ter alguma semelhança consolidando uma identidade regional e, no caso do Circuito do Diamante, a história da extração de diamantes no estado, foi a similaridade em comum.

circuito do diamante

Mapa Ilustrativo do Circuito dos Diamantes

A Descoberta do Diamante em Minas Gerais

Tudo começou por volta de 1714 com a descoberta de diamantes por um explorador, no Arraial do Tijuco (atual Diamantina), na Chapada Velha. Com a notícia do descobrimento, anos depois, milhares de pessoas (entre garimpeiros, aventureiros, etc) migraram para essa região, formando vários povoados que mais tarde formariam municípios como Mucugê, Andaraí e Lençóis. Em 1730, a Coroa Portuguesa impôs medidas duras, arbitrárias e repressivas para controlar toda exploração do diamante e garantir o poder real sobre a nova riqueza. Nos 31 anos de exploração de diamantes, os números oficiais atingem a soma de 1.666.569 quilates. A Chapada Velha se transformou em Chapada Diamantina e com milhares de pessoas interessadas e praticando o garimpo, a região se desenvolveu rapidamente nos aspectos econômicos e culturais com a riqueza conquistada. Em 1831, o antigo Arraial de Tijuco consegue o título de vila, passando a chamar-se Diamantina e só em 1838, obtém o título de cidade. Diamantina foi considerada na época do império a cidade mais sofisticada e de grande importância para o Estado de Minas Gerais. Mas, com a descoberta do diamante na África do Sul, em 1867, a decadência da mineração foi inevitável. Dessa trajetória, Diamantina passa a ser polo comercial, cultural, turístico e merecidamente Patrimônio Cultural da Humanidade concedido pela UNESCO.

circuito do diamante

Vista Panorâmica da Chapada Diamantina

circuito do diamante

Centro da cidade Diamantina

circuito do diamante

Arquitetura Colonial de Diamantina

O Circuito Turístico dos Diamantes

A menos de 300 Km de Belo Horizonte em direção ao norte, fica a região turística do Circuito dos Diamantes. Esse programa oferece ao turista conhecer a região através de roteiros integrados que unem comunidades e atrativos através de antigos caminhos. A Estrada Real, a Trilha Verde da Maria Fumaça e a Travessia dos Parques e Vilarejos da Terra dos Diamantes são rotas que podem ser feitas de carro, de bicicleta ou a pé. O viajante percorre 395 Km divididos em 18 trechos na companhia da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço e de paisagens exuberantes. Dos 395 Km, 26% estão asfaltados (105,9 Km), 0,5% são de trilha (2 Km) e os outros 73,5% são de estrada de terra (289 Km). Normalmente os viajantes gastam em média 08 dias para percorrer de bicicleta e 27 dias a pé; mas isso varia de pessoa para pessoa, claro.

circuito do diamante

Trecho da Estrada Real

circuito do diamante

Trecho de terra da Estrada Real

circuito do diamante

Paisagem espetacular do trecho asfaltado da Estrada Real

Visitar essa região é viajar no tempo e sentir-se parte desse patrimônio. Toda cultura do Circuito do Diamante é observada na rica gastronomia, na arquitetura, na música e nas festas locais. Os turistas também buscam pela famosa cachaça artesanal e pelo queijo (patrimônio imaterial de Minas Gerais) da cidade de Serro, pelas serestas e apresentação da Vesperata, em Diamantina (os músicos se apresentam em cima de sacadas e janelas centenárias) e pelas obras de artes (os artesanatos da região são comercializados). Cada cidade possui uma caracterização diferente, seja na música, na arquitetura ou nas festas, mas sempre com aquela similaridade em razão da história da extradição do diamante.

circuito do diamante

A tradicional “Vesperata”, em Diamantina

circuito do diamante

Vista panorâmica da cidade Serro

circuito do diamante

Os queijos artesanais de Serro

Para aqueles que gostam de contato com a natureza, outras opções são os Parques Ambientais: Parque Estadual do Itambé (com o Pico do Itambé de 2.002 metros de altitude), na cidade de Santo Antônio do Itambé; Parque Estadual do Rio Preto, em São Gonçalo do Rio Preto; Parque Estadual do Biribiri, e Parque Nacional das Sempre Vivas, ambos em Diamantina. Uma dica é conhecer outras maravilhas do Circuito dos Diamantes. São elas: Cânion do Funil, em Presidente Kubitschek, Trilha da Maria Fumaça no trecho entre Monjolos e Rodeador, Centro Histórico de Diamantina, Centro Histórico do Serro Capivari, trecho do Parque do Rio Preto entre as Cachoeiras das Sempre Vivas e dos Crioulos, as fontes de águas termais em Felício dos Santos e a Bacia Hidrográfica do Rio Jequitinhonha. Com altitude média de 850 metros, o Circuito do Diamante também abriga o Parque Nacional da Serra do Cipó – trecho da Reserva Mundial da Biosfera, reconhecida pela UNESCO – e suas cachoeiras, paredões e serras que permitem a prática de esportes radicais como a canoagem, rafting, mountain bike, cavalgada, escalada, etc.

circuito do diamante

Cacheira do Sossego na Chapada Diamantina

 

circuito do diamante

Pontilhão de aço na Trilha da Maria Fumaça, em Monjolos

 

Renda-se às belezas de uma das maiores regiões produtoras de gemas do mundo. Região rica em tradição, história e cultura cujo patrimônio continua preservado, oferecendo aos visitantes uma paisagem encantadora, adornada por um povo alegre e receptivo.  

 

 

Empresária, criadora e editora deste blog, com ampla experiência no mercado de luxo de São Paulo, nos segmentos de moda e joalheria.

Posted in Categorias, Dicas, Gemas and tagged , , , , .

Deixe um comentário